Você está aqui: Página Inicial Divulgação Científica Acquapacita desenvolve ações de extensão rural em comunidades pesqueiras

Acquapacita desenvolve ações de extensão rural em comunidades pesqueiras

Acquapacita desenvolve ações de extensão rural em comunidades pesqueiras

Atividade de extensão rural. Foto: Acervo Rede Acquapacita.

A prestação de serviços de extensão rural a comunidades envolvidas em práticas pesqueiras é o foco principal das ações realizadas pela Rede Acquapacita, iniciativa do Instituto de Ciências e Tecnologia das Águas (ICTA) da Ufopa. A ação conta com a participação de discentes e professores do curso de Engenharia de Pesca e visa a propiciar alternativas para a melhoria da qualidade de vida dos produtores rurais e suas famílias, através da implementação de atividades de piscicultura sustentável.

Coordenada pelo professor Keid Nolan, a Rede Acquapacita promove cursos de capacitação e oficinas para acadêmicos, produtores e criadores de organismos aquáticos, além de feiras, exposições, encontros e seminários, a fim de divulgar e aperfeiçoar a criação de organismos aquáticos no município de Santarém. “O nosso objetivo é de integralizar a extensão pesqueira, por meio de parcerias e com foco nos pescadores, aquicultores e comunidade acadêmica”, explica a acadêmica bolsista da Rede, Annita Feitosa.

A instalação de tanques-redes para a criação de organismos aquáticos no reservatório da Usina Hidrelétrica de Curuá-Una é uma das prioridades da Rede para 2016. Aprovado pela Eletronorte, o projeto será implantado pela Sociedade Cooperativa dos Aquicultores do Tapajós (Coopata) e deverá atender inicialmente a oito comunidades rurais do entorno do reservatório. “A Acquapacita dará suporte para a realização do projeto, com a participação de professores e alunos da Ufopa. Vamos ministrar oficinas e cursos de capacitação sobre as atividades de extensão pesqueira”, esclarece Annita Feitosa, que é aluna de Engenharia de Pesca da Ufopa.

Legalização - Além de prestar ações de assistência técnica e de extensão aos criadores de organismos aquáticos, orientando-os na elaboração de projetos aquícolas, a Rede também realiza visitas técnicas de viabilidade às propriedades, com o objetivo de esclarecer aos interessados o melhor aproveitamento da área para a criação de peixes ou pesque e pague. “Em 2015 visitamos diversas fazendas de aquicultura na região do Eixo Forte, com o objetivo de identificar as dificuldades enfrentadas pelos produtores de organismos aquáticos”.

Segundo Feitosa, as dificuldades vão desde a elaboração, implantação e legalização de projetos de aquicultura, até a obtenção do licenciamento ambiental dos criatórios. “A falta de uma definição clara dos papeis e das competências de cada órgão público envolvido no processo de licenciamento ambiental dificulta a legalização dos projetos da região”, afirma.

Parcerias - Criada em 2014, a Rede Acquapacita busca o fortalecimento de parcerias com entidades, órgãos públicos e produtores de organismos aquáticos, visando à qualificação dos serviços prestados às comunidades pesqueiras de Santarém. “Através da Rede, conseguimos reunir, em junho do ano passado, diversos órgãos governamentais, como a Secretaria Municipal de Meio Ambiente de Santarém (Semma), a Secretaria Estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade (Semas), o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Estado do Pará (Emater) e o Banco da Amazônia (Basa), para um evento que discutiu a Legalização e a formação de políticas públicas para as atividades aquícolas da região”, lembra Annita Feitosa. “No decorrer de 2016, daremos continuidade às atividades de extensão pesqueira propostas pelo grupo, contribuindo com a formação acadêmica e com o desenvolvimento das aquiculturas locais”.

Mais informações: redeacquapacita.ufopa@gmail.com.

Maria Lúcia Morais - Comunicação/Ufopa

21/3/2016

registrado em: , ,