“Lembro-me de querer andar durinho, como se diz que homem deve ser”: a construção do corpo gay na escola

Pedro Paulo Souza Rios, Alfrancio Ferreira Dias, José Paulo Gomes Brazão

Resumo


Este estudo tem como objetivo refletir acerca da construção de masculinidades/homossexualidades nas trajetórias de professores gays, egressos dos cursos de licenciatura em Pedagogia, Matemática e Biologia do Campus VII, da Universidade do Estado da Bahia – UNEB, tendo em vista os processos de construção de gênero e sexualidade, em suas trajetórias de vida, formação acadêmica e, exercício profissional. Desenvolvemos uma pesquisa qualitativa com descrição e interpertação das narrativas (auto)biográficas, produzidas por seis professores gays. Dessas narrativas emergiram as produções educativas heterossexistas e normatizadoras que visam transformar crianças em adultos. O poder disciplinar sobre os corpos no contexto escolar é disseminado por práticas educativas instituídas que hierarquizam, regulamentam e padronizam espaços, atividades pedagógicas, cores, modos de se comportar, brinquedos e, brincadeiras, como sendo adversativas, ou para meninos ou para meninas. Contudo, os corpos gays impõem-se ao problematizarem questões não passíveis de discussão. Os sujeitos desenvolveram estratégias de enfrentamento das normas heterossexistas. Isso resultou numa nova concepção do que é ser estudante, assumindo uma postura queer. Ser queer funcionou como instrumento pedagógico, para permanecer na escola, enquanto um direito social para resolver os atos preconceituosos e excludentes.

 

Palavras-chave: Narrativas (Auto)biográficas. Gênero. Homossexualidades. Performatividade. Professores.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.24065/2237-9460.2019v9n4ID1033

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


 
 

A Revista Exitus está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.