Adolescência em memes: análise das representações de alunos do ensino fundamental

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24065/2237-9460.2020v10n1ID1214

Resumo

A multimodalidade evidenciada pelas Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação impacta os adolescentes imersos na cultura digital. Contudo, práticas sociais e pedagógicas se distanciam, pois a escola ainda é regida por um sistema que não contempla questões do cotidiano do aluno, nem sua inserção na cibercultura. O objetivo do estudo é analisar como alunos do ensino fundamental representam sua fase de adolescência por meio da linguagem dos memes, os significados que emergem dessas representações e discutir suas implicações pedagógicas com base na Semiótica Social. Foi desenvolvida uma oficina onde 19 alunos (13-15 anos) do 8º ano do ensino fundamental da cidade do Rio de Janeiro, produziram memes a partir do aplicativo Meme Generator. Os memes foram analisados à luz da Gramática do Design Visual, que apontou prevalência de processos narrativos reacionais (n=17), cujas reações identificadas foram classificadas como: frustração (n=5); dilema (n=4); sarcasmo (n=2); resistência (n=2); baixa autoestima (n=2) e satisfação (n=1). Os demais memes (n=2) utilizaram processo conceitual e processo narrativo acional. Os resultados apontaram marcas de aspectos socioculturais de contextos como escola, amigos, família e futuro, com indicativos de resistência acerca de preconceitos, dúvidas, conflitos, alegria com momentos de lazer e desejos. Destaca-se que as representações de adolescência por meio dos memes foram importantes para evidenciar as questões que permeiam o cotidiano desses alunos e para contribuir com práticas pedagógicas que se aproximem de suas vivências, tornando a aprendizagem mais significativa para esses estudantes.

Biografia do Autor

Judith Bustamante Bautista, Instituto Nutes de Educação em Ciências e Saúde / Universidade Federal do Rio de Janeiro

Mestre em Educação em Ciências e Saúde /Instituto Nutes de Educação em Ciências e Saúde/UFRJ

Diana Ciannella, Instituto Nutes de Educação em Ciências e Saúde / Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutora em Educação em Ciências e Saúde / Técnica em Assuntos Educacionais - Instituto Nutes de Educação em Ciências e Saúde / UFRJ

Miriam Struchiner, Instituto Nutes de Educação em Ciências e Saúde / Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutora em Educação / Professora Associada IV - Instituto Nutes de Educação em Ciências e Saúde / UFRJ

Referências

ALMEIDA, M. B. T.; VALENTE, J. A. Integração currículo e tecnologias e a produção de narrativas digitais. Currículo sem Fronteiras, v. 12, n. 3, p. 57- 82, 2012.

ALMEIDA, M. E. B. Currículo e narrativas digitais em tempos de ubiquidade: criação e integração entre contextos de aprendizagem. Revista de Educação Pública, v. 25, n. 59/2, p. 526-546, 2016.

BARTHES, R. Introdução à análise estrutural da narrativa. In: BARTHES, R. et al. Análise estrutural da narrativa, Petrópolis: Vozes, 7 ed., 1971, p. 19-62.

BLACKMORE, S. The meme machine. Oxford: Oxford University Press,1999.

BOCK, A. M. B. A adolescência como construção social: estudo sobre livros destinados a pais e educadores. Psicologia Escolar e Educacional (Impr.), v. 11, n. 1, p. 63-76, 2007.

CAMACHO, L. M. Y. A invisibilidade da juventude na vida escolar. Perspectiva, v. 22, n. 2, p. 325-343, 2004.

CANDAU, V. M. F. Direitos humanos, educação e interculturalidade: as tensões entre igualdade e diferença. Revista Brasileira de Educação, v. 13, n. 37, p. 45-56, 2008.

CANDAU, V. M. F. Diferenças Culturais, Cotidiano Escolar e Práticas Pedagógicas. Currículo sem Fronteiras, v. 11, n. 2, p. 240- 255, 2011.

CANEN, A. O Multiculturalismo e seus dilemas: implicações na educação. Comunicação e Política, v. 25, n. 2, p. 91-107, 2007.

COELHO, C. Que histórias os memes podem nos contar? Pedagogias culturais e currículo. Revista Brasileira de Pesquisa (Auto)biográfica, v. 2, n. 6 p. 615-628, 2017.

COPE, B.; KALANTZIS, M. Multiliteracies: New literacies, new learning. Pedagogies: An International Journal, v. 4, n. 3, p. 164-195, 2009.

CORSI, A. M.; LIMA, E. F. Práticas Pedagógicas no Ensino Fundamental na Perspectiva do Culturalismo Crítico, Currículo sem Fronteiras, v. 10, n. 2, p. 158–182, 2010.

COSSETIN, V. L. F. Suportar ou reconhecer: a dupla face do conceito de tolerância e o papel mediador da escola. Pro-Posições, v. 28, p.132-146, 2017.

COUTINHO, L. G. Adolescência e Errância: Destinos do Laço Social Contemporâneo. Rio de Janeiro: Nau, 2009.

DAHL, R.; ALLEN, N.; WILBRECHT, L.; SULEIMAN, A. B. Importance of investing in adolescence from a developmental science perspective. Nature, v. 554, p. 441–450, 2018.

DAYRELL, J. A escola "faz" as juventudes? Reflexões em torno da socialização juvenil. Educação & Sociedade, v. 28, n. 100, p. 1105-1128, 2007.

DAWKINS, Richard. O gene egoísta. São Paulo: EDUSP, 1976.

FERRARI, P. A web somos nós. In: FERRARI, P. Hipertexto hipermídia: as novas ferramentas da comunicação digital. São Paulo: Contexto, p. 7-12, 2007.

FERREIRA, H. M.; VILLARTA-NEDER, M. A.; COE, G. S. C. Memes em sala de aula: possibilidades para a leitura das múltiplas semioses. Revista Periferia, v. 11, n. 1, p. 114-139, 2019.

FURLANETTO, M. F.; LAUERMANN, F.; COSTA, C. B.; MARIN, A. H. Educação sexual em escolas brasileiras: revisão sistemática da literatura. Cadernos de Pesquisa, v. 48, n. 168, p.550-571, 2018.

GROLLI, V.; WAGNER, M. F.; DALBOSCO, S. N. P. Sintomas Depressivos e de Ansiedade em Adolescentes do Ensino Médio. Revista de Psicologia da IMED, v. 9, n. 1, p. 87-103, 2017.

HODGE, B.; KRESS, G. Social Semiotics. London: Polity Press, 1988.

JENKINS, H. Cultura da Convergência. São Paulo: Aleph, 2. ed., 2009.

JEWITT, C.; OYAMA, R. Visual meaning: A social semiotic approach. In: VAN LEEUWEN, T. JEWITT, C. (orgs.). Handbook of visual analysis. London: Sage, 2001, p. 134-157.

KENSKI, V. M. Educação e tecnologias: o novo ritmo da informação. Campinas: Ed. Papirus, 2012.

KNOBEL, M.; LANKSHEAR, C. Memes and affinities: Cultural replication and literacy education. Miami: NRC, 2005. p. 1-22.

KRESS, G. Literacy in the new media age. New York: Routledge, 2003.

KRESS, G.; VAN LEEUWEN, T. Reading images: the grammar of visual design. New York: Routledge, 2006.

KRESS, G. Multimodality: A social semiotic approach to contemporary communication. New York: Routledge, 2010.

LE BOTERF,G. Pesquisa participante: propostas e reflexões metodológicas. In: BRANDÃO, C. R. (org.) Repensando a pesquisa participante. São Paulo: Brasiliense, p. 51-81, 1999.

MANOVICH, L. El lenguage de los nuevos medios de comunicación: la imagen en la era digital. Barcelona: Paidós, 2005.

MARTINS, C. R.; PELEGRINI, A.; MATHEUS, S. C.; PETROSKI, E. L. Insatisfação com a imagem corporal e relação com estado nutricional, adiposidade corporal e sintomas de anorexia e bulimia em adolescentes. Revista de Psiquiatria do Rio Grande do Sul, v. 32, n. 1, p. 19-23. 2010.

MILNER, R. The world made meme: Discourse and identity in participatory media. 2012. 316p.Tese (Doutorado em Filosofia) – Universidade do Kansas, Kansas/EUA, 2012.

MINAYO, M. C. de S. Ciência, técnica e arte: o desafio da pesquisa social. In: MINAYO, M. C. S.; DESLANDES, S. F.; NETO, O. C. (org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 21. ed., p. 9-29, 2002.

MOREIRA, A. F. B.; CANDAU, V. M. Educação escolar e cultura(s): construindo caminhos. Revista Brasileira de Educação, n. 23, p. 156-168, 2003.

NISSENBAUM, A.; SHIFMAN, L. Internet memes as contested cultural capital: the case of 4chan’s/b/board. New Media & Society, v. 19, n. 4, p. 483-501, 2017.

OLIVEIRA, K. E. J.; PORTO, C. M.; ALVES, A. L. Memes de redes sociais digitais enquanto objetos de aprendizagem na Cibercultura: da viralização à educação. Acta Scientiarum Education, v. 41, e42469, p. 1-11, 2019.

PÁTARO, C. S. O.; MORUZZI, A. B. Culturas juvenis e currículo: valorização dos sujeitos jovens no trabalho escolar. Revista Teias, Rio de Janeiro, v. 12, n. 26, p. 61-81, set./dez. 2011.

ROCHA, H. Repensando o ensino da língua portuguesa: uma abordagem multimodal. In: VIEIRA, J. A; ROCHA, H.; MAROUN, C. R. G. B.; FERRAZ, J. A. (org.). Reflexões sobre a língua portuguesa: uma abordagem multimodal. Petrópolis: Vozes, p. 35-76, 2007.

ROJO, R. Pedagogia dos multiletramentos: Diversidade cultural de linguagens na escola. In: ROJO, R.; MOURA, E. (Orgs). Multiletramentos na Escola. São Paulo: Parábola Editorial, p. 11-32, 2012.

TEIXEIRA, C. R.; BEZERRA, R. Dal B. Escolas, currículo e cultura(s): a construção do processo educativo na perspectiva da multiculturalidade. Dialogia, v. 6, p. 55-63, 2007.

VASCONCELOS, M. S. Ousar brincar. In: ARANTES, V. A. (Org.). Humor e Alegria na Educação. São Paulo: Summus, p. 57-74, 2006.

WORTHMAN, C.; TRANG, K. Dynamics of body time, social time and life history at adolescence. Nature, 554(7693), p.451–457, 2018.

ZACHARIAS, V. R. C. Letramento digital: desafios e possibilidades para o ensino. In: COSCARELLI, C. V. (org.). Tecnologias para aprender. São Paulo: Parábola Editorial, p. 15-26, 2016.

Downloads

Publicado

2020-07-30

Como Citar

Bautista, J. B., Ciannella, D., & Struchiner, M. (2020). Adolescência em memes: análise das representações de alunos do ensino fundamental. Revista Exitus, 10(1), e020058. https://doi.org/10.24065/2237-9460.2020v10n1ID1214

Edição

Seção

Dossiê