Educação e fake news: construindo convergências

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24065/2237-9460.2020v10n1ID1216

Resumo

Durante um curto espaço de tempo, as pesquisas a respeito das Redes Sociais da Internet transitaram entre um espaço de indignação e esperança, abarcando manifestações sociais em escalas globais para o materialismo da pós-verdade, chamados de Fake News. Assim, ao discorrer sobre o papel da educação no cenário das múltiplas formas e formatos de comunicação que perpassam as Redes Sociais da Internet, temos por objetivo compreender a relação entre educação e fake news a partir da constituição de rede de autores e rede de palavras-chave, identificando as possíveis convergências e perspectivas que possam ampliar a relação entre esses dois campos de estudo. Nesse sentido, para compor o cenário de reflexões, realizamos um levantamento bibliométrico das produções acadêmicas desenvolvidas no período de 2013 a 2019, disponíveis no repositório Science Direct. O exame das produções acadêmicas versou sobre o reconhecimento das fontes que contemplam o contexto da educação e das fake news, realçando as concepções e os vínculos entre ambas. A partir do software de visualização de redes, VOSviewer, apresentamos a rede de palavras-chave e a rede de autores que se sobressaem na associação entre esses campos de análise. Verificamos que as principais conexões entre educação e educação tratam sobre o desenvolvimento de habilidades para a constatação de notícias errôneas. Por sua vez, por meio da visualização da rede de palavras-chave, três palavras foram evidenciadas: educação, social media e fake news, e na rede de autores, dos 46 autores, foram criados 14 clusters.

Biografia do Autor

Priscila Costa Santos, Universidade Católica de Brasília (UCB)

Doutoranda pelo Programa de Educação: Currículo na linha de pesquisa de Novas Tecnologias em Educação da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Período de co-tutela (sanduíche) na The Open University. Mestre pelo Programa de Pós - Graduação em Psicologia do Desenvolvimento Humano e Saúde do Instituto de Psicologia da Universidade de Brasília. Especialista em Educação pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial - SENAC. Graduada em Pedagogia pela Universidade de Brasília. Desenvolve trabalhos nas áreas de Educação a Distância, Formação de Professores, Integração das Tecnologias Digitais de Informação e Comunicação (TDIC) aos contextos de aprendizagem, Políticas Públicas e Avaliação Educacional. Possui experiência como Coordenadora, Supervisora e Professora em contextos presenciais e a distância, Revisão Pedagógica e Designer Instrucional. Orcid: 0000-0003-0929-698X

Maria Elizabeth Bianconcini Trindade Morato Pinto de Almeida, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP)

Professora associada da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), Livre docente em Educação (PUC-SP, 2019), Doutora em Educação (Currículo) pela PUC-SP (2000) com mestrado em Educação (Supervisão: Currículo) pela PUC-SP (1996), graduação em Matemática pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1973). Membro do Comitê Assessor da área de Educação do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq, 2014 a julho, 2017), pesquisador produtividade PQ 1C do CNPq, consultor/parecerista ad hoc do CNPq, CAPES, FAPESP, líder do grupo de pesquisa Formação de educadores com suporte em meio digital, certificado em 2003. Coordenou o Programa de Pós-Graduação em Educação: Currículo, da PUC-SP (2009-2013). Tem experiência em Educação e Tecnologias, com pesquisas e publicações sobre currículo e tecnologias, educação a distância, tecnologias e formação de professores, web currículo, cultura digital e educação, narrativa digital. http://orcid.org/0000-0001-5793-2878 

Referências

ALMEIDA, M. E. B. T. M. P. de. Currículo e narrativas digitais em tempos de ubiquidade: criação e integração entre contextos de aprendizagem. Revista Educação Pública, v. 25, n. 59/2, p. 526-546, 2016.

ALMEIDA, M. E. B. T. M. P. Integração currículo e Tecnologias de Informação e Comunicação: Web currículo e formação de professores. 2019. Tese (Livre-Docência) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2019.

ALMEIDA, M. E. B. T. M. P.; VALENTE, J. A. Tecnologias e currículo: trajetórias convergentes ou divergentes? São Paulo: Paulus, 2011.

ALMEIDA, M. E. B. T. M. P.; VALENTE, J. A. Currículo e contextos de aprendizagem: integração entre o formal e o não formal por meio de tecnologias digitais. Revista e-Curriculum, v. 12, n. 2, p. 1162-1188, 2014.

ATANASOV, I. S. Uncertainty in social networks: a matter of opinions. IFAC-PapersOnLine, v. 52, n. 25, p. 494-497, 2019.

ATODIRESEI, C.-S.; TĂNĂSELEA, A; IFTENE, A. Identifying fake news and fake users on Twitter. Procedia Computer Science, v. 126, p. 451-461, 2018.

BARRERA, O. et al. Facts, alternative facts, and fact checking in times of post-truth politics. Journal of Public Economics, v. 182, p. 104123, 2020.

BOOMERANG OFFICIAL. The Jetsons – A day in the life of a Jetson. YouTube, Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=ayWyniqrT3w. Acesso em: 25 jan. 2020.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Educação é a base. Brasília, MEC/CONSED/UNDIME, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_publicacao.pdf. Acesso em: 25 jan. 2020.

BUCKINGHAM, D. Cultura digital, educação midiática e o lugar da escolarização. Educação & Realidade, v. 35, n. 3, p. 37-58, 2010.

BUZATO, M. E. K. Cultura digital, educação e letramento: conflitos, desafios, perspectivas. In: HÖFLING, C. (org.). Jornada de letras. São Carlos: Editora da UFSCar, 2010. p. 69-88.

BUZATO, M. E. K. 29.º Encontro Nacional da ANPOLL (Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em Letras e Linguística), realizado de 9 a 11 de junho de 2014 na Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis – SC.

CASTELLS, M. Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na Era da Internet. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

CHETTY, N.; ALATHUR, S. An architecture for digital hate content reduction with mobile edge computing. Digital Communications and Networks, 2019.

COSTA, D. A educação para a cidadania digital na escola: análise multidimensional da atuação dos professores enquanto mediadores da cultura digital nos processos de ensino e de aprendizagem. 2019. Tese (Doutorado) – Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2019.

FERNANDEZ, M.; ALANI, H. Online Misinformation: Challenges and Future Directions. In: WWW’18 COMPANION: The 2018 WEB CONFERENCE COMPANION. ACM, New York, 2018, p. 595-602.

FIGUEIREDO, A. D. A pedagogia dos contextos de aprendizagem. Revista e-Curriculum, v. 14, n. 3, p. 809-836, 2016.

FERREIRA, N. S. A. As pesquisas denominadas “estado da arte”. Educação & Sociedade, v. 23, p. 257, 2002.

FLORE, M.; BALAHUR, A.; PODAVINI, A.; VERILE, M. Understanding citizens' vulnerabilities to disinformation and data-driven propaganda, EUR 29741 EN, Publications Office of the European Union, Luxembourg, 2019, ISBN 978-92-76-03320-2, doi:10.2760/919835, JRC116009.

FRANCO, M. L. P. B. Análise de conteúdo. Campinas: Autores Associados, 2008.

FREIRE, P. O processo de alfabetização política. Rev. da FAEEBA, Salvador, n. 7, p. 19-33, 1974.

FULLER, S. Post-truth: knowledge as a power game. London: Anthem Press, 2018.

GERE, C. Digital culture. London: Reaktion Books, 2009.

GRIZZLE, A; CALVO, M. C. T. Alfabetização midiática e informacional: diretrizes para a formulação de políticas e estratégias. Brasília/DF: Unesco, 2016.

IANNONE, L. R.; ALMEIDA, M.E. B; VALENTE, J. A. Pesquisa TIC Educação: da inclusão para a cultura digital. Pesquisa sobre o uso das tecnologias de informação e comunicação nas escolas brasileiras: TIC Educação, 2015.

IRETON, C.; POSETTI, J. Journalism, fake news & disinformation: handbook for journalism education and training. Unesco Publishing, 2018.

KENSKI, V. M.. Novas tecnologias: o redimensionamento do espaço e do tempo e os impactos no trabalho docente. Revista Brasileira de Educação, São Paulo, n. 8, p. 58-71, ago. 1998. Disponível em: http://pitagoras.unicamp.br/~teleduc/cursos/diretorio/tmp/1808/portfolio/item/61/Impactonotrabalhodocente_kenski.pdf. Acesso em: 25 jan. 2020.

KANOH, H. Why do people believe in fake news over the Internet? An understanding from the perspective of existence of the habit of eating and drinking. Procedia Computer Science, v. 126, p. 1704-1709, 2018.

LAMBRECHTS, W. et al. Sustainability segmentation of business students: Toward self-regulated development of critical and interpretational competences in a post-truth era. Journal of Cleaner Production, v. 202, p. 561-570, 2018.

LATOUR, B. Reagregando o social: uma introdução à teoria do ator-rede. Salvador: EDUFBA, 2012.

LOZANO, M. G. et al. Veracity assessment of online data. Decision Support Systems, v. 129, p. 113132, 2020.

MARSDEN, C.; MEYER, T.; BROWN, I. Platform values and democratic elections: how can the law regulate digital disinformation?. Computer Law & Security Review, p. 105-373, 2019.

PEQUERNO ACERVO. Os Flintstones – Abertura e encerramento originais. YouTube. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=Io5ARXRpEds. Acesso em: 25 jan. 2020.

PRETTO, N. de L.; ASSIS, A. Cultura digital e educação: redes já. Além das redes de colaboração: internet, diversidade cultural e tecnologias do poder. Salvador: EDUFBA, 2008. p. 75-83.

ROJO, R. Alfabetização e letramentos múltiplos: como alfabetizar letrando. Coleção explorando o ensino: Língua Portuguesa: ensino fundamental. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2010. v. 19, p. 15-36.

ROJO, R. ; MOURA, E. Multiletramentos na escola. São Paulo: Parábola, 2012.

RECUERO, R; BASTOS, M; ZAGO, G. Análise de redes para mídia social. Porto Alegre: Sulina, 2015.

RYAN, C. D. et al. Monetizing disinformation in the attention economy: the case of genetically modified organisms (GMOs). European Management Journal, 2019.

SANTAELLA, L. Desafios da ubiquidade para a educação. Revista Ensino Superior Unicamp, v. 9, p. 19-28, 2013.

SANTOS, P. C ; ALMEIDA, M. E. B. T. M. P.. O Facebook como integração entre o contexto formal e informal. In: ATAS DA X CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DE TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO – CHALLENGES 2017. Anais... Braga, de 8 a 10 de maio de 2017. Disponível em: http://www.nonio.uminho.pt/challenges/atas/.

SCIENCE DIRECT. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/. Acesso em: 8 jan. 2020.

THE OXFORD ENGLISH DICTIONARY. Edited by John Simpson and Edmund Weiner. New York: Oxford University Press, 1989.

TUHKALA, A. et al. Technology comprehension – Combining computing, design, and societal reflection as a national subject. International Journal of Child-Computer Interaction, v. 20, p. 54-63, 2019.

VAN DIJCK, J. Governing digital societies: private platforms, public values. Computer Law & Security Review, p. 105-377, 2019.

VENTER, I. M. et al. Cyber security education is as essential as “the three R's”. Heliyon, v. 5, n. 12, p. e02855, 2019.

VOSVIEWER. Disponível em: https://www.vosviewer.com/. Acesso em: 8 jan. 2020.

WELLER, M. et al. Mapping the open education landscape: citation network analysis of historical open and distance education research. Open Praxis, v. 10, n. 2, p. 109-126, 2018.

Downloads

Publicado

2020-07-30

Como Citar

Santos, P. C. ., & Almeida, M. E. B. T. M. P. de . (2020). Educação e fake news: construindo convergências. Revista Exitus, 10(1), e020057. https://doi.org/10.24065/2237-9460.2020v10n1ID1216

Edição

Seção

Dossiê