Exposição museológica “Transformações: a Amazônia e o antropoceno” Objetos de conhecimentos e suas relações com o ensino das ciências

Autores

  • Renan Ferreira de Freitas Universidade Federal do Pará
  • Endell Menezes de Oliveira Universidade Federal do Pará
  • Nadia Magalhães da Silva Freitas Universidade Federal do Pará

DOI:

https://doi.org/10.24065/2237-9460.2020v10n1ID1232

Palavras-chave:

Antropoceno, Amazônia, Objetos de conhecimento

Resumo

As atividades humanas têm impactado severamente o sistema planetário, de modo que a humanidade tem sido considerada uma força geológica. É nesse contexto que os cientistas têm proposto o estabelecimento de uma nova época – o Antropoceno. O Antropoceno insere-se nas grandes discussões relativas aos aspectos ambientais e sociais, que trazem riscos múltiplos à humanidade e ao meio ambiente. Sua abordagem não deve se restringir ao espaço formal de sala de aula. Nesse sentido, a exposição museológica “Transformações: a Amazônia e o Antropoceno”, do Museu Paraense Emílio Goeldi, no município de Belém, estado do Pará, reuniu estes dois temas importantes na contemporaneidade. Para contribuir com essa discussão, empreendemos um processo de investigação, buscando atender ao seguinte objetivo de pesquisa: apreender como se apresentam os objetos de conhecimento da Exposição, em suas relações com o ensino das ciências. Adotamos a abordagem qualitativa e recorremos à observação livre, que se constitui em uma técnica de recolha de dados; tais dados foram submetidos a análise interpretativa. Muitos dos objetos de conhecimentos, vinculados ao Antropoceno na Amazônia foram destacados na exposição, a saber: desmatamento, queimadas, monocultura, pecuária, entre outros, vinculados a floresta. Entendemos que a Exposição desempenhou importante papel no campo educacional, na medida em que trouxe objetos de conhecimentos que representam mediadores de um ensinar e de um aprender com sentido para pensar os eventos que contribuem para a Antropoceno na Amazônia.

Biografia do Autor

Renan Ferreira de Freitas, Universidade Federal do Pará

Mestrado em Educação em Ciências. Doutorando do Programa Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matematica, da Universidade Federal do Paraná.

Endell Menezes de Oliveira, Universidade Federal do Pará

Mestrado em Educação em Ciências. Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências e Matemáticas, da Universidade Federal do Pará.

Nadia Magalhães da Silva Freitas, Universidade Federal do Pará

Doutorado em Desenvolvimento Socioambiental. Professora da Universidade Federal do Pará.

Referências

BARCELOS, E. A. S. Antropoceno ou capitaloceno: da simples disputa semântica à interpretação histórica da crise ecológica global. Revista Iberoamericana de Economía Ecológica, v. 31, n. 1, p. 1-17, 2019. Disponivel em: https://redibec.org/ojs/index.php/revibec/article/view/356/222. Acesso em: 10 jan. 2020.

BARNOSKY, A. D. et al. Has the Earth’s sixth mass extinction already arrived? Nature, v. 471, p. 51-57, 2011. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/50267709_Has_the_Earth's_Sixth_Mass_Extinction_Already_Arrived_Nature. Acesso em: 15 dez. 2019.

BAUMAN, Z. Identidades: entrevista a Benedetto Vecchi. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2005.

CAMPELLO M. A questão ambiental e a nova geopolítica das nações: impactos e pressões sobre a Amazônia brasileira. Espaço Aberto, v. 3, n. 2, p. 131-148, 2013. Disponivel em: <https://revistas.ufrj.br/index.php/EspacoAberto/article/view/2119/1885.> Acesso em: 10 jan. 2020.

CECCARELLI, L. Manufactured scientific controversy: science, rhetoric, and public debate. Rhetoric & Public Affairs, v. 14, n. 2, p. 195–228, 2011. Disponivel em: <https://www.researchgate.net/publication/236710036_Manufactured_Scientific_Controversy_Science_Rhetoric_and_Public_Debate> Acesso em: 12 jan. 2020.

COLE, M. et al. Microplastics as contaminants in the marine environment. Marine Pollution Bulletin, v. 62, p. 2588–2597, 2011. Disponível em: <https://reader.elsevier.com/reader/sd/pii/S0025326X11005133?token=94932B140CBD6CD2E82968093FF9026C6BBE77A1D4E78A8E38B61582C28D03C84F0B9674EEAC6B9F3745AA8EA85CB1AB.> Acesso em: 05 fev. 2020

DOMINGUES, M. S.; BERMANN, C. O arco de desflorestamento na Amazônia: da pecuária à soja. Ambiente & Sociedade, v. 25, n. 2, p. 1-22, 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/asoc/v15n2/02.pdf> Acesso em 10 dez. 2019.

ESTEBAN, M. S. Pesquisa qualitativa em educação: fundamentos e tradição. Porto Alegre: Artmed, 2010.

FEARNSIDE, P. M. Desmatamento na Amazônia: dinâmica, impactos e controle. Acta Amazônica, v. 36, n. 3, p. 395 – 400, 2006. Disponível em: <https://acta.inpa.gov.br/fasciculos/36-3/PDF/v36n3a18.pdf>Acesso em: 11 dez. 2019.

FONSECA-MORELLO, T. et al. Queimadas e incêndios florestais na Amazônia brasileira: porque as políticas públicas têm efeito limitado? Ambiente & Sociedade, v. 20, n. 4, p. 19-40, 2017. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/asoc/v20n4/pt_1809-4422-asoc-20-04-00019.pdf.> Acesso em: 16 dez. 2019.

FREITAS, N. M. S.; MARQUES, C. A. Abordagens sobre sustentabilidade no ensino CTS: educando para a consideração do amanhã. Educar em Revista, n. 65, p. 219-235, 2017. Disponível em: <https://www.scielo.br/pdf/er/n65/0104-4060-er-65-00219.pdf>. Acesso em: 12 jan. 2020.

FREITAS, N. M. S.; MARQUES, C. A. Sustentabilidade e CTS: o necessário diálogo na/para a Educação em Ciência em tempos de crise ambiental. Educar em Revista, v. 35, n. 77, p. 265-282, 2019. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/er/v35n77/1984-0411-er-35-77-0265.pdf>. Acesso em: 12 jan. 2020.

GRUZMAN, C.; SIQUEIRA, V. H. O paple educacional do Museu de Ciências: desafios e transformações conceituais. Revista Eletrónica de Enseñanza de las Ciencias, v. 6, n. 2, p.402-423, 2007. Disponível em: <http://reec.uvigo.es/volumenes/volumen6/ART10_Vol6_N2.pdf>. Acesso em: 25 jan. 2020.

HATJE, V.; CUNHA, L. C.; COSTA, M. F. Mudanças globais, impactos antrópicos e o futuro dos oceanos. Revista Virtual de Química, v. 10, n. 6, p. 1947-1967, 2018. Disponível em: <http://rvq.sbq.org.br/imagebank/pdf/v10n6a15.pdf>.Acesso em: 28 jan. 2020.

JUNGES, A. L.; MASSONI, N. T. O consenso científico sobre aquecimento global antropogênico: considerações históricas e epistemológicas e reflexões para o ensino dessa temática. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 18, n. 2, p. 455-49, 2018. Disponível em: <https://periodicos.ufmg.br/index.php/rbpec/article/view/4761> Acesso em: 20 fev. 2020.

KOTZÉ, L. J. Rethinking global environmental law and governance in the Anthropocene. Journal of Energy & Natural Resources Law, v. 32, n. 2, p. 121-156, 2014. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/279219385_Rethinking_Global_Environmental_Law_and_Governance_in_the_Anthropocene>. Acesso em: 20 jan. 2020.

LANDIM, A. P. M. et al. Sustentabilidade quanto às embalagens de alimentos no Brasil. Polímeros, v. 26, n. spe, p. 82-92, 2016. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/po/v26nspe/0104-1428-po-0104-14281897.pdf>. Acesso em: 20 dez. 2019.

LEFF, E. Aposta pela vida: imaginação sociológica e imaginários sociais nos territórios ambientais do Sul. Petrópolis, RJ: Vozes, 2016.

LEWIS, S. L.; MASLIN, M. A. Defining the Anthropocene. Nature, v. 519, p. 171-180, 2015. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/273467448_Defining_the_Anthropocene/link/550f142e0cf2752610a00a62/download>. Acesso em: 19 dez. 2019.

LOUREIRO, C. F. B. Teoria social e questão ambiental; pressupostos para uma práxis crítica em educação ambiental. In: LOUREIRO, C. F. B.; LAYRARGUES, P. P.; CASTRO, R. S. Sociedade e meio ambiente: a educação ambiental em debate. São Paulo: Cortez, 2012. p. 17-54.

LYNAS, M. A espécie divina: como o planeta pode sobreviver à era dos seres humanos. Rio de Janeiro, Alta Brooks, 2012.

MARANDINO, M. Museu e escola: parceiros na educação científica do cidadão. In: CANDAU, Vera Maria (Org.). Reinventar a escola. 3. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000. p. 189-220.

MARANDINO, M. O conhecimento biológico nos museus de ciências: análise do processo de construção do discurso expositivo. Tese de doutoramento. Universidade De São Paul. São Paulo, 2001. Disponível em: <http://www.geenf.fe.usp.br/v2/wp-content/uploads/2012/09/marandino_2001.pdf>. Acesso em: 19 jan. 2020.

MARENGO, J. A.; SOUZA JUNIOR, C. Mudanças Climáticas: impactos e cenários para a Amazônia. São Paulo: Alana; APIB (Articulação dos Povos Indígenas do Brasil); Artigo 19; Conectas Direitos Humanos; Engajamundo;

Greenpeace; Instituto Socioambiental; Instituto de Energia e Ambiente;

Programa de Pós Graduação em Ciência Ambiental Universidade de São Paulo; Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia (INCT) para Mudanças Climáticas Fase 2, 2018. Disponível em: <https://www.oamanhaehoje.com.br/assets/pdf/Relatorio_Mudancas_Climaticas-Amazonia.pdf>. Acesso em: 22 jan. 2020.

MARQUES, L. Capitalismo e colapso ambiental. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2018.

MIRANDA, J. L. et al. O Antropoceno, a Educação Ambiental e o Ensino de Química. Revista Virtual de Química, v. 10, n. 6, p.1990-2004, 2018. Disponível em: <http://rvq.sbq.org.br/imagebank/pdf/v10n6a17.pdf>. Acesso em: 20 fev. 2020.

MUINGA, N. M.; GALATTO, S. L. Mudanças climáticas globais e seus impactos no meio ambiente. Geografia em questão, v. 10, n. 2, p. 121-124, 2017. Disponível em: <http://e-revista.unioeste.br/index.php/geoemquestao/article/view/15725/11961.> Acesso em: 20 jan. 2020.

NOBRE, A. D. O futuro climático da Amazônia: relatório de avaliação científica. São José dos Campos, SP: ARA: CCST-INPE: INPA, 2014. Disponível em: <https://www.socioambiental.org/sites/blog.socioambiental.org/files/futuro-climatico-da-amazonia.pdf.> Acesso em: 15 jan. 2020.

OLIVEIRA. G. O museu como um instrumento de reflexão social. MIDAS. Museus e estudos interdisciplinares, v. 2, 2013. Disponível em: <https://journals.openedition.org/midas/222.>Acesso em: 18 jan. 2020.

OLIVEIRA, M. M. Como fazer pesquisa qualitativa. 6. ed. Petrópolis: Vozes, 2014.

PORTO-GONÇALVES, C. W. Amazônia, Amazônias. São Paulo: Contexto, 2019.

PORTO-GONÇALVES, C. W. Os (des)caminhos do meio ambiente. São Paulo: Contexto, 1998.

PRATA, J. C. J.C. Airborne microplastics: consequences to human health? Environmental Pollution, v. 234, p. 15-126, 2018. Disponível em: <https://www.researchgate.net/publication/321299826_Airborne_microplastics_Consequences_to_human_health/link/5a915a16aca2721405630a1f/download>. Acesso em: 18 fev. 2020.

RIVERO, S. et al. Pecuária e desmatamento: uma análise das principais causas diretas do desmatamento na Amazônia. Nova Economia, v. 19, n. 1, p. 41-66, 2009. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/neco/v19n1/03.pdf>. Acesso em: 18 jan. 2020.

ROCKSTRÖM, J. et al. A safe operating space for humanity. Nature, v. 461, n. 24, p.472-475, 2009. Disponível mem: <https://www.nature.com/articles/461472a.pdf.> Acesso em: 18 jan. 2020.

RODRIGUES, M. O Antropoceno em disputa. Ciência e Cultura, v. 69, n. 1, p. 19-22, 2017. Disponível em: <http://cienciaecultura.bvs.br/pdf/cic/v69n1/v69n1a10.pdf>. Acesso em: 29 jan. 2020.

ROYLE, C. Marxism and the Anthropocene. International Socialism, v. 151, p. 63-84, 2016. Disponível em: <http://isj.org.uk/marxism-and-the-anthropocene/>. Acesso em: 22 jan. 2020.

RÚDIO, F. V. Introdução ao projeto de pesquisa científica. São Paulo: Editora Vozes, 2004.

SACHS, I. Prefácio. In: VEIGA, J. E. Desenvolvimento sustentável: o desafio do século XXI. Rio de Janeiro: Garamond, 2005. p. 9-11.

SAVI, M. P. The Anthropocene (and) (in) the humanities: possibilities for literary studies. Estudos Feministas, v. 25, n. 2, p. 945-959, 2017. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ref/v25n2/1806-9584-ref-25-02-00945.pdf >. Acesso em: 22 jan. 2020.

SILVA, C. M.; ARBILLA, G. Antropoceno: os desafios de um novo mundo. Revista Virtual de Química, v. 10, n. 6, p. 1619-1647, 2018. Disponível em: <http://rvq.sbq.org.br/imagebank/pdf/v10n6a02.pdf>. Acesso em: 14 jan. 2020.

SILVA, C. O.; SANTOS, G. M.; SILVA, L. N. A degradação ambiental causada pelo descarte inadequado das embalagens plásticas: estudo de caso. Revista do Centro do Ciências Naturais e Exatas, v. 13, n. 13, p. 2683- 2689, 2013. Disponível em: <https://periodicos.ufsm.br/reget/article/view/8248/pdf>. Acesso em: 24 fev. 2020.

STEFFEN, W. et al. The Anthropocene: conceptual and historical perspectives. Philosophical Transaction of the Royal Society, v. 369, p. 842-867, 2011. Disponível em: <https://royalsocietypublishing.org/doi/pdf/10.1098/rsta.2010.0327>. Acesso em: 11 jan. 2020.

STEFFEN, W. et al. Planetary boundaries: guiding human development on a changing planet. Science, v. 347, n. 6223, p. 1259855-1-1259855-10, 2015. Disponível em: <https://science.sciencemag.org/content/sci/347/6223/1259855.full.pdf>. Acesso em: 18 dez. 2019.

TOMMASIELLO, M. G. C.; CARNEIRO, S. M. M.; TRISTÃO, M. Educação Ambiental e a Teoria da Complexidade: articulando concepções teóricas e procedimentos e procedimentos de abordagem na pesquisa. In: PEDRINI, A. G.; SAITO, C. H. Paradigmas metodológicos em educação ambiental. Petrópolis/RJ: Vozes, 2004, p. 82-92.

UNITED NATIONS FRAMEWORK CONVENTION ON CLIMATE CHANGE. Climate change: impacts, vulnerabilities and adaptation in developing countries. UNFCCC: 2007. Disponível em: <https://unfccc.int/resource/docs/publications/impacts.pdf>. Acesso em: 15 dez. 2019.

VEIGA, J. E. da. Aquecimento global: frias e contendas científicas. São Paulo: SENAC, 2008.

VENTURIERI, A.; MONTEIRO, M. A.; MENEZES, C. R. C. Zoneamento ecológico-econômico da Zona Oeste do Estado do Pará. Belém, PA: Embrapa Amazônia Oriental, 2010. Disponível em: <https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/item/109332/1/Proposta.pdf>. Acesso em: 16 dez. 2020.

VIEIRA, E. C. G.; TOLEDO, P. M.; HIGUSHI, H. A Amazônia no Antropoceno. Ciência e Cultura, v. 70, n. 1, p. 56-59, 2018. Disponível em: <http://cienciaecultura.bvs.br/pdf/cic/v70n1/v70n1a15.pdf>. Acesso em: 17 jan. 2020.

VIOLA, E.; FRANCHINI, M. Sistema Internacional de hegemonia conservadora: o fracasso da Rio + 20 na governança dos limites planetários. Ambiente & Sociedade, v. 15, n. 3, p. 1 -18, 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/asoc/v15n3/a02v15n3.pdf>. Acesso em: 12 fev. 2020.

WOLINSKI, A. E. et al. Por que foi mesmo que a gente foi lá? Uma experiência de investigação sobre os objetivos dos professores ao visitar o Parque da Ciência Newton Freire-Maia. Química Nova na Escola, v. 33, n. 3, p. 142-151, 2011. Disponível em: <http://qnesc.sbq.org.br/online/qnesc33_3/142-EA06509.pdf>. Acesso em: 18 jan. 2020.

ZALASIEWICZ, J. O fardo insuportável da tecnosfera. Correio da UNESCO, n. 2, 2018. Disponível em: >https://pt.unesco.org/courier/2018-2/o-fardo-insuportavel-da-tecnosfera>. Acesso em: 15 fev. 2020.

Downloads

Publicado

2020-09-26

Como Citar

Freitas, R. F. de, Oliveira, E. M. de, & Freitas, N. M. da S. (2020). Exposição museológica “Transformações: a Amazônia e o antropoceno” Objetos de conhecimentos e suas relações com o ensino das ciências . Revista Exitus, 10(1), e020096. https://doi.org/10.24065/2237-9460.2020v10n1ID1232

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)