Gênero e diversidade sexual na base nacional comum curricular: descritores ausentes que tornam abjetos os corpos transgressores da norma

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24065/2237-9460.2020v10n1ID1233

Palavras-chave:

Currículo, Gênero e Diversidade, LGBT

Resumo

RESUMO

O ensaio teórico-reflexivo aqui empreendida busca nos levar a compreensão em termos conjunturais dos movimentos e força-tarefa que resultou no apagamento dos descritores gênero e diversidade sexual na Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Partindo do pressuposto de que o currículo é uma seleção intencional de conhecimentos; nos deteremos sobre os interesses e grupos que os advogam, ao tencionar no processo de construção da Base, e com isso, atingir seu objetivo de censurar aquilo que consideram uma ameaça. A reflexão percorre um caminho militante, e é tecida sob o foco de resistência, sendo este o chamamento nas considerações.

Biografia do Autor

Anderson Pereira Evangelista, Universidade Federal do Acre

Licenciado em Educação Física e Mestrando em Educação pela Universidade Federal do Acre (Ufac), Rio Branco, Acre – Brasil. Bolsista CAPES

Rafael Marques Gonçalves, Universidade Federal do Acre

Doutor em Educação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (ProPEd/UERJ). Professor Adjunto e Docente Permanente no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Acre (Ufac), Rio Branco, Acre – Brasil

Referências

ALGEBAILE, E. Escola sem Partido: o que é, como age, para que serve. In: FRIGOTTO, G. (Org.). Escola “sem” partido: Esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira. Rio de Janeiro: UERJ/LPP, 2017, p. 63-74, 2017.

ALMEIDA, R. de. Bolsonaro presidente: conservadorismo, evangelismo e a crise brasileira. Revista Novos Estudos, v. 38, n.1, 2019.

APPLE, M. Endireitar” a educação: as escolas e a nova aliança conservadora. Currículo sem fronteiras, v. 2, n. 1, p. 55-78, 2002.

ARROYO, M. G. Currículo, território em disputa. Editora Vozes Limitada, 2013.

ASSIS, A. E. S. Q. Escola sem partido: projeto sem sustância. Revista Exitus, v. 8, n. 2, p. 15-33, 2018. Disponível em: <http://www.ufopa.edu.br/portaldeperiodicos/index.php/revistaexitus/article/view/527> Acesso em: 02 de fevereiro de 2020.

BULGARELLI, L. Moralidades, direitas e direitos LGBTI nos anos 2010. In: GALLEGO, E. S. (Org.). O ódio como política: a reinvenção das direitas no Brasil. Boitempo Editorial. 2018.

FRIGOTO, G. A gênese das teses do Escola sem Partido: esfinge e ovo da serpente que ameaçam a sociedade e a educação. In: FRIGOTO, G. (Org.). Escola “sem” partido: Esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira. Rio de Janeiro: UERJ/LPP, 2017, p. 63-74, 2017.

FURLAN, C. C.; MAIO, E. R. Pedagogias do corpo: é possível a escola ser um espaço de reconstrução? In: MESSEDER, S.; CASTRO, M. G. e MOUTINHO, L. (Org.). Enlaçando Sexualidades: uma tessitura interdisciplinar no reino das sexualidades e das relações de gênero. Salvador: Edufba, 2016.

GONÇALVES, R. M. Bricolagens praticadas e políticaspráticas de currículos nos cotidianos escolares. 132 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018.

GONÇALVES, R. M. Autonomia e Políticas práticas de Currículos: uma equação entre raízes e opções. Educ. Real., Porto Alegre, v. 44, n. 3, e84870, 2019. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2175-62362019000300401&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 26 de maio de 2020. Epub Sep 12, 2019. https://doi.org/10.1590/2175-623684870.

GONÇALVES, R. M. et at. A BNCC na contramão das demandas sociais: planejamento com e planejamento para. Práxis Educacional, [S.l.], v. 16, n. 38, p. 338-351, jan. 2020. ISSN 2178-2679. Disponível em: <http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/6012>. Acesso em: 26 de maio de 2020. doi: https://doi.org/10.22481/praxisedu.v16i38.6012.

GONÇALVES, R. M. Conversas sobre práticas e currículos entre professoras: artesania e maneiras de fazer o cotidiano escolar. Linguagens, Educação e Sociedade, Teresina, Ano 23, Edição Especial, dez. 2018. Disponível em: https://revistas.ufpi.br/index.php/lingedusoc/article/view/7876. Acesso em 26 de maio de 2020. Doi: https://doi.org/10.26694/les.v1i1.7876

GONZALEZ, L. Racismo e sexismo na cultura brasileira. Revista Ciências Sociais Hoje, v. 2, n. 1, 1984, p. 223-244.

GREEN, J. N.; POLITO, R. Frescos trópicos: fontes sobre a homossexualidade masculina no Brasil, 1870-1980. Editora José Olympio, 2004.

GRUPO GAY DA BAHIA. População LGBT morta no Brasil – Relatório 2018 – GGB.

JUNIOR, P.R.S. A questão de gênero, sexualidade e orientação sexual na atual Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e o movimento LGBTTQIS. Revista de Gênero, Sexualidade e Direito, v. 4, n. 1, p. 1-21, 2018.

LEÃO, A. M. de C.; RIBEIRO, P. R. M. As políticas educacionais do Brasil: a (in) visibilidade da sexualidade e das relações de gênero. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v. 7, n. 1, p. 28-37, 2012.

LIMA, T. S. Ensaio de cartografia política: as Eleições de 2018. Terra Livre, v. 1, n. 52, p. 658-695, 2019.

MACEDO, E. As demandas conservadoras do movimento escola sem partido e a base nacional curricular comum. Educação & Sociedade, v. 38, n. 139, p. 507-524, 2017.

NOZAKI, W. Um capitão entre generais: a presença dos militares no governo Bolsonaro. In: AZEVEDO, J. S. G. de; POCHMANN, M. (Org.). Brasil: Incertezas e submissão? São Paulo: Fundação Perseu Abramo, p. 83-104, 2019.

PENNA, F. A. O Escola sem Partido como chave de leitura do fenômeno educacional. In: FRIGOTTO, G. (Org.). Escola “sem” partido: Esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira. Rio de Janeiro: UERJ/LPP, p. 35-48, 2017.

POCAHY, F.; DORNELLES, P. G. Um corpo entre o gênero e a sexualidade: notas sobre educação e abjeção. Instrumento, Juiz de Fora, v. 1, n. 1, p. 125-135, 2010.

RAMOS, M. N. Escola sem Partido: a criminalização do trabalho pedagógico. In: FRIGOTTO, G. (Org.). Escola “sem” partido: Esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira. Rio de Janeiro: UERJ/LPP, p. 75-85, 2017.

RIOS, P. P. S.; DIAS, A. B.; BRAZÃO, J. P.G. “Lembro-me de querer andar durinho, como se diz que homem deve ser”: a construção do corpo gay na escola. Revista Exitus, v. 9, n. 4, p. 775-804, 2019. Disponível em: < http://www.ufopa.edu.br/portaldeperiodicos/index.php/revistaexitus/article/view/1033> Acesso em: 12 de janeiro de 2020.

ROCHA, K. A. Diversidade sexual e combate à homofobia no cenário das políticas públicas para a educação. In: Congresso Nacional de Educação, I Seminário Internacional de Representações Sociais, Subjetividade e Educação, 10, 2011, Curitiba. Anais [...] Curitiba: PUC – PR, 2011. Disponível em: http://educere.bruc.com.br/CD2011/pdf/5958_2939.pdf. Acesso em: 20 de ago. 2019.

SEVILLA, G.; SEFFNER, F. A guinada conservadora na educação: reflexões sobre o novo contexto político e suas reverberações para a abordagem de gênero e sexualidade na escola. In: Seminário Internacional fazendo Gênero, 11 & Women’s Worlds Congress, 13, 2017, Florianópolis. Anais [...] Florianópolis: UFSC, 2017.Disponível em:http://www.en.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/1499465018_ARQUIVO_textocompletofazendogeneroversaofinalgabrielasevillaefernandoseffner.pdf. Acesso em: 08 de ago. 2019.

SILVA, C.S.F.; BRANCALEONI, A. P. L.; OLIVEIRA, R.R. Base Nacional Comum Curricular e diversidade sexual e de gênero: (des)caracterizações. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 14, n. esp. 2, p. 1538-1555, jul. 2019.

SILVEIRA, S. A. Concentração, modulação e desinformação nas redes. In: AZEVEDO, J. S. G. de. POCHMANN, M. (Org.). Brasil: Incertezas e submissão? São Paulo: Fundação Perseu Abramo, p. 27-44, 2019.

SIMÕES, J. A.; FACCHINI, R. Na trilha do arco-íris: do movimento homossexual ao LGBT. Editora Fundação Perseu Abramo, 2009.

SOUZA, J. A Classe Média no espelho: sua história, seus sonhos e ilusões, sua realidade. Rio de Janeiro: Estação Brasil, 2018.

TIBURI, M. Como conversar com um fascista. 7º ed. Rio de Janeiro: Editora Record, 2015.

VALIM, P.; FERNANDES, F. B. M. “Quanto mais purpurina melhor”: questões de gênero e sexualidade no Brasil do governo Bolsonaro. In: AZEVEDO, J. S. G. de. POCHMANN, M. (Org.). Brasil: Incertezas e submissão? São Paulo: Fundação Perseu Abramo, p. 401-420. 2019.

Downloads

Publicado

2020-08-17

Como Citar

Evangelista, A. P., & Gonçalves, R. M. (2020). Gênero e diversidade sexual na base nacional comum curricular: descritores ausentes que tornam abjetos os corpos transgressores da norma . Revista Exitus, 10(1), e020065. https://doi.org/10.24065/2237-9460.2020v10n1ID1233

Edição

Seção

Artigos