Afrocentricidade e interculturalidade crítica na educação: reinventar a escola a partir da diferença

Jonathas Vilas Boas de Sant’Ana, João Henrique Suanno, Raimundo Márcio Mota de Castro

Resumo


As diferenças culturais existentes na sociedade brasileira pressionam e penetram como nunca antes a educação escolar. Todavia, a escola permanece assentada no paradigma científico newtoniano-cartesiano, erigido na modernidade ocidental como parte constitutiva da estrutura de dominação montada desde 1500, a colonialidade do poder. Como via de rompimento com esta realidade é necessário fortalecer a interculturalidade desde epistemologias subalternizadas que ajudem a proceder uma descolonização epistemológica. Neste sentido, o objetivo deste artigo é apontar a potencialidade do paradigma da afrocentricidade para a construção de uma educação intercultural crítica que leve à reinvenção da educação escolar. Interculturalizar a educação implica em reinventar a escola em suas diversas dimensões, incorporando a diferença como constitutiva e não como aditiva. Consiste na abertura epistemológica da educação para a diferença. A partir daí propõe-se que o paradigma da afrocentricidade, enquanto epistemologia subalternizada permite repensar a educação escolar em diversos sentidos. Considerar referenciais de pensamento africano na educação é um processo de abertura intercultural, de descolonização epistemológica, de contrariedade à colonialidade do poder. Ao mesmo tempo é a proposição de outras formas de relação com as diferenças culturais.

 

Palavras-chave: Educação escolar. Diferenças culturais. Afrocentricidade.


Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.24065/2237-9460.2019v9n1ID729

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


          

A Revista Exitus está licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.