Alienígenas em escolas de fronteira gêmea: práticas curriculares em questão

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24065/2237-9460.2020v10n1ID972

Palavras-chave:

Escolas de Fronteira, Alunos Fronteiriços, Práticas Pedagógicas

Resumo

A presença de alunos estrangeiros em instituições brasileiras está garantida pela Lei nº. 6.815/1980. No entanto, considerando o distanciamento entre o cotidiano fronteiriço e as escolas de fronteira, a presente pesquisa pretende investigar em que medida as práticas administrativo-pedagógicas desenvolvidas nas escolas de fronteira contemplam as especificidades dos alunos fronteiriços uruguaios. Para isso, realiza-se uma investigação de caráter exploratório em escolas públicas do município de Jaguarão/RS. Tem-se como principal problemática o modo como um sujeito oriundo de um outro país e que possui outra língua materna convive e se adapta às práticas pedagógicas institucionalizadas, vivenciando um processo de ensino e de aprendizagem destinados a nativos (brasileiros). O suporte teórico desta pesquisa está, sobretudo, em Santomé (1995) e Sacristán (2000), no que se refere às práticas pedagógicas e ao currículo escolar, Silva (2009) no que tange às relações entre currículo e poder. Percebe-se o quanto algumas normativas do campo da educação poderiam ser vetores de mudanças paradigmáticas em direção à interculturalidade e, ao mesmo tempo, o quanto os currículos das escolas continuam reverberando práticas homogeneizadoras ou, no máximo, multiculturais, que visam integrar sem dissipar os territórios de poder/saber.

Downloads

Não há dados estatísticos.

##plugins.generic.paperbuzz.metrics##

Carregando Métricas ...

Biografia do Autor

Maiane Liana Hatschbach Ourique, Universidade Federal de Pelotas

Doutora em Educação pela Universidade Federal de Santa Maria/RS. Professora do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Pelotas/RS

Renan Cardozo Gomes da Silva, Universidade Federal de Pelotas

Mestre em Educação pela Universidade Federal de Pelotas/RS. Professor da Escola de Educação Infantil Upiá, Pelotas-RS

Referências

BRASIL. Ministério da Educação. O Plano Municipal de Educação: caderno de orientações. Brasilia, 2014.

BRASIL. Lei Nº 6.815, de 19 de Ago. de 1980. Define a situação jurídica do estrangeiro no Brasil, cria o Conselho Nacional de Imigração. Republicada pela determinação do Artigo 11 da Lei Nº 6.964, de 9 de dez. de 1981. Diário Oficial da União, República Federativa do Brasil, Brasília, 20 ago. 1980.

BRASIL. Decreto N° 5.105, de 14 de Jun. de 2004. Acordo entre o Governo da República Federativa do Brasil e o Governo da República Oriental do Uruguai para Permissão de Residência, Estudo e Trabalho a Nacionais Fronteiriços Brasileiros e Uruguaios. Diário Oficial da União, República Federativa do Brasil, Brasília, 15 jun. 2004.

CANEN, A.; MOREIRA, A. F. B. Reflexões sobre o Multiculturalismo na Escola e na Formação Docente. In: CANEN, A.; MOREIRA, A. F. B. (Orgs.). Ênfases e Omissões no Currículo. São Paulo: Papirus, 2001, p. 15-43.

DORNELLES, C. et al. (Orgs.). Interculturalidade e Experiências Docentes. Bagé-Jaguarão (RS): Universidade Federal do Pampa, 2015.

FREIRE, R. L. O Corpo Alienígena no Entre-Lugar Mídias e Arte: uma análise das personagens de jornada nas estrelas. 2016. 127f. Dissertação (Mestrado em Artes Cênicas), Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

FUNDAÇÃO DE ECONÔMIA E ESTATÍSTICA. Município: Jaguarão. Disponível em: <https://arquivofee.rs.gov.br/perfil-socioeconomico/municipios/detalhe/?municipio=Jaguar%E3o>. Acesso em: 01 ago. 2019.

HALL, S. A Identidade Cultural na Pós-modernidade. Rio de Janeiro: DP&A Editora, 2006.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

GREEN, B.; BIGUM, C. Alienígenas na sala de aula. In: SILVA, T. T. da. (Org.). In: Alienígenas na Sala de Aula: uma introdução aos estudos culturais em educação. Petrópolis/RJ: Vozes,1995.

MAZZEI, E. Fronteras que nos Unen y Límites que nos Separan. Uruguay: Imprenta CBA, 2012.

MOREIRA, A. F. B. Currículo, Diferença Cultural e Diálogo. Educação & Sociedade [online], XXIII, nº 79, agost, 2002.

PIERUCCI, A. F. Ciladas da Diferença. São Paulo: Editora 34, 1999.

SACRISTÁN, J. G. O Currículo: uma reflexão sobre a prática. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SILVA, T. T. da. Documentos de Identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

SANTOMÉ, J. T. As culturas negadas e silenciadas no currículo. In: SILVA, T. T. da. (Org.). Alienígenas na Sala de Aula: uma introdução aos estudos culturais em educação. Trad. Tomaz Tadeu da Silva. Petrópolis: Vozes, 1995.

SANTOMÉ, J. T. Globalização e Interdisciplinaridade. O currículo integrado. Trad. Cláudia Schilling. Porto Alegre: Artmed, 1998.

SANTOMÉ, J. T. Evitando o debate sobre a cultura no sistema educacional: como ser competente sem conhecimento. In: SACRISTÁN et al. Educar por competências: o que há de novo? Trad. Carlos Henrique Lucas Lima. Porto Alegre: Artmed, 2011, p. 161-197.

WALSH, C. Interculturalidad, Estado, Sociedad: luchas decoloniales de nuestra época. Quito: Abya Yala, 2009.

Downloads

Publicado

2020-09-02

Como Citar

OURIQUE, M. L. H.; SILVA, R. C. G. da . Alienígenas em escolas de fronteira gêmea: práticas curriculares em questão. Revista Exitus, [S. l.], v. 10, n. 1, p. e020086, 2020. DOI: 10.24065/2237-9460.2020v10n1ID972. Disponível em: http://www.ufopa.edu.br/portaldeperiodicos/index.php/revistaexitus/article/view/972. Acesso em: 23 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos