Desculpe, o seu navegador não suporta JavaScript!
Buscar somente nesse site.

Universidade Federal do Oeste do Pará

Curso de Gestão Pública realiza debate sobre a condição colonial da Amazônia


11 de Junho de 2019 às 12:09

Um debate sobre o tema “A condição colonial da Amazônia” será realizado na segunda-feira, 17, no auditório Pérola da Unidade Amazônia, a partir das 19h.

Promovido pelo curso de Gestão Pública e Desenvolvimento Regional, do Instituto de Ciências da Sociedade (ICS), a programação terá como debatedores a professora Andréa Leão, do curso de Ciências Econômicas da Ufopa, e Charles Trocate, da direção nacional do Movimento pela Soberania na Mineração (MAM).

A discussão integra a agenda da disciplina de Políticas Públicas e Desenvolvimento Regional, ministrada pelo professor Rogerio Almeida, que organiza o debate junto com a turma de Gestão Pública/2016.  

O debate é aberto a todos os interessados pela temática.

Sobre os debatedores

Charles Trocate tem um profundo conhecimento sobre as dinâmicas da região de Carajás, onde reside no projeto de assentamento de reforma agrária Palmares, vinculado ao Movimento Sem Terra (MST). O dirigente tem participado de inúmeros debates sobre o tema pela Amazônia, no Brasil e na Pan-Amazônia. É um dos diretores da Editora Iguana, que tem produzido obras que aproximam os estados do Pará e Minas Gerais, numa reflexão sobre o extrativismo mineral. Ambos os estados são os principais produtores de ferro do país, um dos itens fundantes da balança comercial nacional, baseada na exportação de produtos primários.

A tese da professora Andréa Leão, intitulada “Na Trilha da Estrada: (des)caminhos do Plano BR-163 Sustentável como concepção para o desenvolvimento na Amazônia” e defendida em 2017, na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), tem como foco uma análise sobre o Plano BR 163-Sustentável no trecho paraense. As rodovias federais na Amazônia representam uma grande inflexão no processo de colonização da região e configuram um poderoso vetor de reconfiguração territorial, bem como das feições econômicas, sociais e culturais.

Faça aqui sua INSCRIÇÃO.

Comunicação/Ufopa

11/6/2019

Notícia em destaque