Desculpe, o seu navegador não suporta JavaScript!
Buscar somente nesse site.

Universidade Federal do Oeste do Pará

Ultima atualização em 16 de Dezembro de 2020 às 19:07

Nova espécie e novo gênero de alga descobertos por pesquisadores podem funcionar como bioindicadores de qualidade das águas


/media/file/site/ufopa/imagens/2020/5cf4e77beba30ad0d617f6fe7c72ef69.jpg
Nos ambientes encontrados, a presença da espécie indica boa qualidade das águas. Foto: Luís Gustavo Canani.
 

Em estudos realizados na Área de Proteção Ambiental de Alter do Chão e no lago da Hidrelétrica de Curuá-Una, em Santarém, no Pará, pesquisadores da Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa) fizeram uma dupla descoberta: uma nova espécie de alga microscópica, que por suas peculiaridades também caracterizou um novo gênero para a ciência. A pesquisa, publicada no European Journal of Phycology, foi realizada, durante o pós-doutorado no Programa de Pós-Graduação em Recursos Aquáticos Continentais Amazônicos (PPGRACAM), pelo Dr. Luís Gustavo Canani, com coautoria dos professores da Ufopa Dra. Dávia Talgatti e Dr. Sérgio Melo.

Os espécimes de Torgania coronata foram coletados no lodo acumulado no fundo dos lagos e fazem parte da dieta de peixes, anfíbios e insetos aquáticos. Essas algas são organismos fotossintetizantes: assim como as plantas, realizam fotossíntese e produzem oxigênio em ambientes aquáticos.

Segundo o Dr. Canani, a nova espécie pertence ao grupo das diatomáceas, que abriga uma grande variedade de algas, de águas doce e salgada, que “em geral são ótimas indicadoras da qualidade da água, já que são abundantes na maioria dos ambientes aquáticos e são sensíveis a alterações, respondendo rapidamente às mudanças dos fatores físicos, químicos e biológicos, devido ao seu ciclo de vida rápido”.

 

/media/file/site/ufopa/imagens/2020/65911fc7d36b6ac8f8aad1a617dc7469.png
Detalhes da alga em microscópio eletrônico. Foto: Reprodução.
 

Os locais em que a Torgania coronata foi encontrada apresentam águas ácidas e com baixa concentração de sais e nutrientes, o que indica boa qualidade das águas, com baixa poluição decorrente de esgotos e outras atividades humanas. “Este gênero, junto com outras diatomáceas, pode ser utilizado no biomonitoramento de ambientes aquáticos da Amazônia”, afirma o pesquisador.

Porém, Canani ressalta que é necessário ter atenção a atividades que possam impactar os ambientes e prejudicar o ciclo de vida das espécies. Já é possível observar construções às margens do Jurucuí; e no lago da UHE há plantações no entorno e indicação de construção de tanques de piscicultura. “Estes empreendimentos, apesar de bastante importantes para a economia local, devem ser realizados com muito cuidado e com um bom gerenciamento e planejamento, sempre ouvindo pesquisadores e especialistas, a fim de manter as boas condições do lago, evitando que haja a extinção desta espécie recém-descoberta e de outros organismos aquáticos que vivem no local. Além disso, estima-se que nestes locais possam existir ainda espécies novas desconhecidas pela ciência”, explica.

 

/media/file/site/ufopa/imagens/2020/528daa85273f783c782ed54510d8a7d4.jpg /media/file/site/ufopa/imagens/2020/cdfa328d05dc7fa4ff8f697b19646c20.jpg
Algas foram coletadas do fundo de lagos. Nas fotos, lagos Itapari (esquerda) e Jurucuí (direita), em Alter do Chão. Fotos: Luís Gustavo Canani. 
 

Novo gênero – O nome dado ao gênero, Torgania, é em homenagem à pesquisadora Dra. Lezilda Carvalho Torgan, que foi orientadora dos autores durante suas trajetórias acadêmicas e é uma das cientistas mais influentes do Brasil e do mundo no estudo de algas do grupo das diatomáceas. O novo gênero se diferencia por um conjunto único de características anatômicas, que incluem o formato da célula, que lembra uma agulha.

“A descoberta reforça ainda mais que, até o momento, a Amazônia é o principal centro de diversidade das Eunotiales, ordem à qual pertence o novo gênero. Outra questão importante é que as características morfológicas encontradas, que justificaram a criação de um novo gênero, permitem repensar as relações de parentesco entre os membros desta ordem, contribuindo para melhorar a compreensão da evolução e filogenia das Eunotiales, e das diatomáceas como um todo”, comenta Luís Gustavo.

Comunicação/Ufopa

15/12/2020

Notícia em destaque