Desculpe, o seu navegador não suporta JavaScript!
Buscar somente nesse site.

Universidade Federal do Oeste do Pará

Pesquisa da Ufopa faz diagnóstico sociolinguístico de escolas em Santarém


18 de Fevereiro de 2020 às 12:12

A pesquisa é realizada pelo Grupo de Estudos Linguísticos do Oeste do Pará (Gelopa).

A realidade linguística na região oeste do Pará não foge à realidade brasileira, que apresenta a convivência de mais de 200 idiomas, tanto línguas nativas quanto de imigrantes.

Na própria Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa) há uma pluralidade de línguas, considerando-se, principalmente, a participação das comunidades indígenas. Por exemplo: temos os povos Munduruku e Wai Wai, sendo que alguns desses últimos também falam mawayan, katuena, xeréw e hixkaryana.

Ainda como exemplo, pode-se registrar o nheengatu da região do Baixo Tapajós, que, após realização de um curso de extensão sobre a língua, passou a ser conhecido nas comunidades.

Outro fator de influência é a vinda de índios venezuelanos para Santarém, que trazem sua língua para a realidade local. Esse multilinguismo interfere diretamente na vida de muitas comunidades escolares, onde as crianças e adolescentes iniciam suas vidas estudantis.

Com o propósito de mapear a situação sociolinguística nas escolas do Oeste do Pará, nasceu a pesquisa Diagnóstico sociolinguístico de escolas públicas do oeste paraense em contexto plurilíngue. A pesquisa faz parte do Projeto Língua, gramática, variação e ensino, desenvolvido pelo Grupo de Estudos Linguísticos do Oeste do Pará (Gelopa), do Programa de Letras do Instituto de Ciências da Educação (Iced) da Ufopa.

A motivação para a pesquisa surgiu a partir das discussões da disciplina A função sociossimbólica da linguagem, no Mestrado Profissional em Letras, no início de 2019, que focaram no espaço da língua portuguesa e das outras línguas na sala de aula, pensando-se, inicialmente, na língua brasileira de sinais (Libras). Depois se discutiram a presença dos alunos indígenas com suas línguas e a falta de preparação da escola para essa realidade. “Nós começamos a observar, de fato, o chão da sala de aula, vendo como o professor não está preparado para lidar com essas diferenças”, destacou a professora Ediene Pena, do Programa de Letras da Ufopa e coordenadora da pesquisa. Segundo ela, muitas vezes o aluno apresenta dificuldades para fazer suas avaliações, mas o problema não está relacionado ao déficit cognitivo, mas ao não entendimento da língua que está sendo usada na escola.

A pesquisa começou, inicialmente, estudando a realidade da escola municipal Eloína Colares e Silva, bairro Ipanema, em Santarém, que viveu o desafio de atender, no primeiro semestre de 2019, a um grupo de 40 alunos da etnia Warao, da Venezuela. Durante todo o ano, um grupo de pesquisadores do Gelopa, coordenado pela professora Ediene, acompanhou a realidade da escola, que precisava atender aos novos estudantes que não sabiam falar o português e que compreendiam pouco o espanhol.

Sobre a metodologia

Inicialmente, o grupo de pesquisadores observou a realidade da escola e depois elaborou questionários para aplicar a professores e a alguns alunos com quem conseguiam se comunicar. “As perguntas foram organizadas para se buscar indicadores,  tanto no contexto social quanto no contexto mais linguístico”, disse Breno Ferreira, acadêmico de Letras e membro do grupo de pesquisa.

 

/media/file/site/ufopa/imagens/2020/c213657b2a3d44a35e9ad4c5b3c7cebd.jpg

 

Professora Ediene apontou que, para fazer esse levantamento, a equipe buscou informações variadas sobre os alunos. “Temos um interesse social, saber quem é esse aluno, quem é esse falante, qual a família dele, de onde ele veio, qual a idade, o que ele faz nas horas vagas, o que ele faz para o lazer, se ele tem acesso a ambientes de cultura, para depois, sim, saber qual a função social da língua que ele está usando, quer a língua materna, quer as outras possíveis línguas com que ele venha a ter  contato”, disse a professora.

Segundo informações de Natália Almeida, também acadêmica de Letras, no primeiro semestre de 2019, quando iniciou o estudo, do total de 505 alunos matriculados na escola Eloína Colares, 40 eram indígenas venezuelanos. Desses, 14 (35%) participaram da pesquisa, respondendo a um questionário, pelo critério de idade e pela compreensão das perguntas por questões da língua. Eram sete meninas e sete meninos. Também os professores participaram, respondendo a perguntas específicas.

O relatório parcial da pesquisa aponta observações da equipe de pesquisadores, a partir da coleta de dados. Algumas são apresentadas aqui:

  • Os alunos venezuelanos, da etnia Warao, na faixa etária que varia de 6 a 19 anos, estavam reunidos na mesma sala, sendo alfabetizados por apenas uma professora e uma auxiliar;

  • Os alunos, em sua maioria, pertenciam ao mesmo grupo familiar, o que influenciava na frequência às aulas e na evasão escolar. Quando a família decidia migrar para outra cidade, reduzia-se o número de alunos. Em agosto, por exemplo, havia apenas cinco estudantes venezuelanos, e até o final do ano outros três voltaram;

  • As professoras utilizavam livros pedagógicos, como o do programa “Se liga”, que eram próprios para a alfabetização, além de uma metodologia adequada que possibilitou aos alunos venezuelanos absorverem boa parte do conteúdo;

  • Pelo fato de a maioria dos alunos terem uma noção de espanhol, as professoras falavam “portunhol”, misturando as duas línguas (português e espanhol); na sala havia cartazes com algumas palavras ou expressões na língua warao, para os alunos manterem contato com a língua materna;

  • Existem crianças que já têm certa interatividade com a língua portuguesa, pois já estão há mais tempo no país. Verificou-se que algumas crianças acompanhavam as mães na atividade de coleta (pedido de dinheiro nas ruas). A partir desse dado, os pesquisadores inferiram que tais atividades potencializavam a interatividade com o uso da língua portuguesa;

  • Na sala de aula, a professora utilizava bastante da linguagem gestual e mudanças de entonação no ato de fala, mesclando o espanhol e o português.

 

/media/file/site/ufopa/imagens/2020/baa06ed606891b0a26aff980a1b50b09.jpg

 

Falta de política linguística

Como resultados iniciais do estudo, a partir das impressões dos pesquisadores, tem-se que a vinda dos venezuelanos para Santarém evidenciou a falta de uma política linguística efetiva e atenciosa no município que contemple a realidade multilíngue, principalmente, para atender aos docentes, oferecendo formação necessária para a vivência de experiências semelhantes.

“Casos como esse tendem a se repetir, e uma política linguística se faz necessária para que os imigrantes tenham sua cultura respeitada; para que docentes tenham uma base de como proceder em determinadas situações e até mesmo em relação a melhores metodologias aplicáveis; para que a escola não venha a ser prejudicada; e, sobretudo, para que haja ainda mais interação e conhecimento cultural”, destaca o relatório da pesquisa. 

O estudo também inferiu que algumas crianças ainda não tenham absorvido amplamente a própria língua, considerando que têm menos de 10 anos de idade. E a mesma observação se estende à cultura, considerando que esta não está desconectada do universo linguístico. “Outro ponto a destacar, por fim, é o que tal contexto reflete, um choque entre culturas, línguas, formas diferentes de pensar e simbolizar o mundo. Choque esse que é complexo, mas que tende a ser profícuo, desde que existam políticas linguísticas adequadas, configuradas por pesquisas, como esta, que busca entender os diversos contextos sociolinguísticos”, reiterou o relatório.

O mito do monolinguismo

“O fato de a língua portuguesa ser a língua oficial pode levar à falsa impressão de que ela é a única falada no Brasil. Então, isso é considerado o mito do monolinguismo”, disse a professora Ediene Pena. Hoje no Brasil são falados, aproximadamente, 215 idiomas, sendo 180 línguas autóctones, dos indígenas, e outras 35 línguas alóctones, das comunidades de descendentes de imigrantes.

Também devem somar-se a estas as línguas de sinais, com destaque para língua brasileira de sinais (Libras) e as línguas afro-brasileiras ainda usadas nos quase mil quilombos oficialmente reconhecidos no Brasil. “A essa convivência de línguas se chama multilinguismo. Então, a realidade do Brasil de fato é uma realidade multilíngue porque se tem a convivência com várias línguas”, reiterou a professora.

Segundo ela, o professor não está preparado para esse contexto porque ainda não há políticas linguísticas que deem conta dessa realidade. “Nós temos uma política de Estado monolíngue. Nós formamos o professor monolíngue para trabalhar numa realidade que não é monolíngue, é multilíngue”, disse ela, afirmando também que, para a construção dessas políticas, necessita-se de estudos que mostrem a realidade, como a pesquisa que está sendo desenvolvida pelo Gelopa.

Essas políticas também são necessárias para garantir a efetivação da Declaração Universal dos Direitos Linguísticos, a qual aponta que todo falante tem o direito de falar a sua língua materna, mesmo que esteja vivendo em outra cultura, como é o caso dos indígenas venezuelanos em Santarém.

Pela pesquisa Diagnóstico sociolinguístico de escolas públicas do oeste paraense em contexto plurilíngue, o grupo vai continuar acompanhando a escola municipal Eloína Colares, mas também iniciará outra etapa com observações na escola estadual Pedro Álvares Cabral, bairro Laguinho, em Santarém.

Grupo de Estudos Linguísticos do Oeste do Pará

O Gelopa nasceu pela necessidade de descrever fenômenos de língua portuguesa, sobretudo aspectos da linguagem de Santarém, sob iniciativa da professora Ediene Pena, em 2008, quando retornou do doutorado. O grupo foi criado com a finalidade de estudar linguagem, estudar língua, descrever aspectos do falar santareno, e já faz esse trabalho há quase 12 anos.

Como resultado das pesquisas realizadas pelo Gelopa, há registros de trabalhos de conclusão de curso (TCC) de graduação, monografias de especialização e dissertações de mestrado, constituindo um acervo de pesquisa sobre a realidade linguística de Santarém e sobre a língua de forma geral.

Confira os canais do Grupo de Pesquisa

 

Rosa Rodrigues – Comunicação/Ufopa

18/2/2020

Fotos: Gelopa

Notícia em destaque