Desculpe, o seu navegador não suporta JavaScript!
Buscar somente nesse site.

Universidade Federal do Oeste do Pará

Pesquisa do Perfil Socieconômico dos Estudantes das Universidades Federais inicia sua 5ª edição


26 de Março de 2018 às 15:34

A pesquisa é feita pela Andifes e o Fonaprace e visa, entre outros objetivos, a auxiliar nas demandas de assistência estudantil.

A Associação Nacional dos Dirigentes das Instituições Federais de Ensino Superior (Andifes) e o Fórum Nacional de Pró-Reitores de Assistência Estudantil (Fonaprace) estão realizando a V edição da Pesquisa do Perfil Socioeconômico dos Estudantes das Universidades Federais.

Os dados são fundamentais por gerarem subsídios para políticas públicas e diagnóstico de como está constituído o corpo discente das universidades. A pesquisa também visa a auxiliar nas demandas de assistência estudantil.

Os estudantes da Ufopa e de todas as outras universidades federais estão sendo convidados a participar da pesquisa durante o período de matrícula, cujo acesso ocorrerá quando entrarem na área reservada à realização do registro pessoal, nos respectivos portais de suas universidades.

CLIQUE NESSE LINK PARA TER ACESSO AO QUESTIONÁRIO.

Estudante, faça sua parte! Saiba que pesquisas anteriores, realizados pela Andifes, mostram a evolução do perfil dos graduandos, considerando os processos seletivos massivos, como o Enem, a criação de mais de 300 campi no interior do País e a Lei de Cotas, criada em 2013, que garantiu o ingresso de 32% dos estudantes que compõem o corpo discente das 63 universidades federais brasileiras.

O número de alunos negros quase triplicou de 2003 a 2014. Juntos, negros e pardos já representavam, há três anos, 47,5% do total de estudantes das universidades federais do Brasil.

Os outros levantamentos feitos pela associação mostram, ainda, que dois terços dos universitários têm origem em famílias com renda média de 1,5 salário mínimo. Os dados desmistificam a ideia de que os alunos de universidades públicas pertencem às camadas sociais com rendas altas.

Comunicação/Ufopa

01/02/2018