Desculpe, o seu navegador não suporta JavaScript!
Buscar somente nesse site.

Universidade Federal do Oeste do Pará

Simpósio na Ufopa discute sobre Educação Escolar Quilombola no ensino básico


22 de Abril de 2019 às 10:52

O curso de Pedagogia da Ufopa começou na manhã hoje, 16, no auditório da Unidade Rondon, Campus Santarém, o I Simpósio de Educação Escolar Quilombola e de Educação para as Relações Étnico-raciais, que aborda o tema “Discutindo as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Quilombola e o Ensino da História e Cultura Afro-brasileira e Africana na Educação Básica de Santarém”.

Na abertura, estiveram presentes estudantes e professores dos cursos da Ufopa, profissionais da educação das redes municipal e estadual de ensino e representantes da Quinta Unidade Regional de Ensino, da Secretaria Municipal de Educação de Santarém, da Secretaria Municipal de Educação de Mojuí dos Campos e de movimentos populares. Coordenado pelo professor Alan Augusto Moraes Ribeiro, do Instituto de Ciências da Educação (Iced), o evento pretende iniciar um debate sobre a educação escolar quilombola, modalidade que passou a ser regulamentada dentro do sistema de ensino escolar brasileiro a partir de 2012. Outro objetivo é discutir coletivamente metodologias de ensino que possibilitem aprendizagens diversas, tendo como ponto de partida os próprios relatos das populações negras e quilombolas.

/media/file/site/ufopa/imagens/2019/d3fbfe2c900b4f09b6e0a7c95e8374b3.JPG

Entre os representantes da Ufopa na mesa, estava o diretor do Instituto de Ciências da Educação, professor Edilan Quaresma. Ele destacou a importância do evento, realizado dentro de uma universidade pública que, a partir de suas práticas extensivas e de pesquisa, discute a educação básica, oferecendo um serviço da academia em favor da sociedade.

Representando a gestão superior, a pró-reitora de Gestão Estudantil, Lidiane Leão, reforçou a necessidade de a universidade promover discussões como essas, assumindo, junto com as demais organizações, o protagonismo na construção de políticas públicas na área da educação.

A programação consta de quatro mesas-redondas:

  • Educação Escolar Quilombola: O que estamos fazendo?;
  • Formação Docente Continuada e as Diretrizes Curriculares da Educação Escolar Quilombola e da Educação para as relações Étnico-raciais: O que precisamos fazer?;
  • A formação de professores na Ufopa: os estudantes quilombolas e negros;
  • Educação Escolar Quilombola: História, Memória e Territorialidade.

As inscrições são feitas no local do evento. Haverá emissão de certificado de participação, com carga horária diferenciada: 8 horas, para participação de um dia; e 16 horas para os dois dias de evento.

Confira a programação completa aqui.

Histórico - Em 2003 foi criada a Lei nº 10.639, que estabeleceu a obrigatoriedade do ensino da História e Cultura Afro-brasileira e Africana na Educação Básica. A partir de 2012, essa modalidade de ensino passou a ser regulamentada no âmbito escolar brasileiro, tendo como base o parecer CNE/CEB 07/2010 e a Resolução CNE/CEB abril/2010, que instituíram esta modalidade nas Diretrizes Curriculares Gerais para a Educação Básica.

Na Lei nº 10.639, houve a introdução da temática “identidade quilombola” como parte dos conteúdos a serem abordados na educação básica. Criticando diretamente uma historiografia oficial que durante anos permitiu que se representasse a história das populações negras, suas culturas e práticas sociais como inferiores ou relegadas a um status epistemológico de segunda categoria, esta lei explicitou uma realidade gritante na sociedade brasileira: a presença e a participação política ativa de negros nas lutas contra o preconceito racial no espaço urbano e no mundo rural.

O processo de instituição da Lei nº 10.639 e das diretrizes foi resultado da ação dos movimentos sociais negro e quilombola, que empreenderam discussões históricas entre diferentes setores da sociedade civil durante os últimos 40 anos. Estas regulamentações estabelecem que o ensino ministrado nas escolas quilombolas e nas escolas da rede pública deve ser formado pela memória coletiva da comunidade, pelas especificidades linguísticas remanescentes, pelos marcos civilizatórios e práticas culturais, pelas tecnologias e formas de produção do trabalho, pelos acervos e repertórios orais, festejos, usos do espaço e tradições culturais, e pelos demais elementos que conformam o patrimônio cultural das comunidades quilombolas e negras em todo o país.

Serviço: I Simpósio de Educação Escolar Quilombola e de Educação para as Relações Étnico-raciais

  • Data: 16 e 17 de maio de 2019
  • Horário: 8h30 às 12h, 14h30 às 18h
  • Local: Auditório Maestro Wilson Fonseca, Unidade Rondon, Campus Santarém
  • Inscrições no local do evento

Comunicação/Ufopa, com informações da organização do evento

22/4/2019, atualizado em 16/5/2019.

/media/file/site/ufopa/imagens/2019/1167c44d96544313aa4d8e040421a4f9.jpg

Fotos: Igor Santos

Notícia em destaque