Desculpe, o seu navegador não suporta JavaScript!
Buscar somente nesse site.

Universidade Federal do Oeste do Pará

Priprioca reforça combate à Covid-19 na vila de Alter do Chão


27 de Maio de 2020 às 12:41

Amplamente divulgado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) como auxiliar no combate ao coronavírus, o álcool 70% está sendo usado para higiene das mãos e até de superfícies. Uma parceria entre a Universidade Federal do Oeste do Pará (Ufopa), a Universidade Estadual do Amazonas (UEM) e a empresa Ekilibre, sediada em Alter do Chão, está reforçando as qualidades do álcool 70% com hidrolato de priprioca – também conhecida como piripirioca – (Cyperus articulatus), que, de acordo com especialistas, além de um perfume marcante, tem efeito antifúngico e bactericida.

Depois de envasado, o produto está sendo distribuído para as populações tradicionais e trabalhadores da saúde e da segurança pública que atuam na Vila de Alter do Chão, onde atualmente só moradores são autorizados a entrar ou a sair, devido ao decreto que determinou o lockdown estabelecido pela Prefeitura Municipal de Santarém.

 

/media/file/site/ufopa/imagens/2020/a1027b365b7805c5938ef314b9d1b5e5.jpg
Comunidades tradicionais de Alter do Chão recebem álcool enriquecido
com priprioca. Foto: Divulgação.

 

Uma inciativa inédita do Prof. Dr. Lauro Barata está aperfeiçoando o álcool 70% com hidrolato de priprioca. “Estamos combatendo o coronavírus com álcool 70% e priprioca”, comemorou o Prof. Dr. Lauro Barata, que desde 2011 atua na Ufopa com pesquisas que envolvem a priprioca em laboratórios da universidade. “O hidrolato de priprioca é o resíduo líquido que sobra no processo de destilação das raízes desta planta e não tinha um fim definido, até hoje. Encontramos um destino: produzir álcool 70% com este líquido cheiroso”, explica Barata. O professor Barata esclarece ainda que os hidrolatos, que para o leigo lembram uma água turva, para o expert tem um perfume agradável. “Juntando as ideias, por que não formular um álcool 70% que não lembre hospital, mas sim o aroma da floresta Amazônica?", questionou.

Mas para fazer isso faltava o básico, afirma o professor. Havia um problema, o desabastecimento de álcool de cereais em Santarém e na Vila de Alter do Chão. "Foi aí que conseguimos uma doação vinda do Prof. Sérgio Duvoisin, da Universidade Estadual do Amazonas. Juntamos ao álcool 70% os efeitos antimicrobianos dos bioativos do hidrolato de priprioca”.

A Cosméticos Ekilibre, de Alter do Chão, foi contactada para fazer o envasamento e auxiliar na distribuição do álcool aromático entre as organizações sociais de Alter, o posto de Saúde da Vila, a associação dos indígenas, o CRAS e a Polícia Militar. “Sabonetes da Ekilibre e álcool 70% cheiroso agora estão no universo de Alter graças a esta cooperação com diversos atores”, comemorou o professor.

Barata ressalta ainda que, como o hidrolato de priprioca também tem função antibacteriana e antifúngica, ele está convencido de que pode produzir um “domissanitário”, e espera que a empresa venha a incorporar essa “matéria-prima potente” em seus produtos de limpeza. A empresa também está produzindo sabonetes com o hidrolato de priprioca.

A Ekilibre – Pequena empresa com sede em Alter do Chão – distrito do município de Santarém (PA) localizado às margens do rio Tapajós, onde se formam belas praias nos períodos de estiagem, conhecidas como o Caribe Amazônico, a Ekilibre Amazônia é dirigida por Kairós Canavarro e fabrica artesanalmente uma linha de quase 50 cosméticos e produtos de higiene pessoal a partir de ervas, raízes, frutas e frutos conhecidos há gerações pelos povos da floresta. Comunidades e cooperativas formadas por ribeirinhos assentados e indígenas são os fornecedores do empreendimento. Em vídeo veiculado nas redes sociais, Kairós Canavarro agradeceu a parceria da Ufopa e da UEM para a criação desses produtos.

Lenne Santos – Comunicação/Ufopa, com informações do Prof. Lauro Barata e do site da Ekilibre

27/5/2020

Profissionais de saúde de Alter do Chão recebem álcool 70% enriquecido com priprioca. Foto: Divulgação.