A reorganização dos arranjos subjetivos a partir da construção de um inimigo comum

Autores

  • Pedro Francisco Marchioro UFPR

DOI:

https://doi.org/10.30810/rcs.v2i3.628

Palavras-chave:

sensibilidades, migrações, identidades, Polo Naval

Resumo

O presente artigo resulta de uma investigação dos conflitos surgidos entre habitantes da região sul do Rio Grande do Sul e trabalhadores advindos das mais variadas regiões do Brasil atraídos pela abertura de milhares de postos de trabalho no Polo Naval de Rio Grande entre 2013 e 2016. Os nativos acusavam a invasão e a desordem que os migrantes "baianos"  estariam causando na cidade outrora equilibrada, tranquila e organizada. A pesquisa tomou a figura do "baiano", tal como perfilada nos discursos de seus enunciadores, como uma pista para a compreensão do conflito mesmo. Sendo assim, percebia-se primeiramente que a designação "baiano" não obedecia a qualquer correspondência geográfica com os habitantes do estado da Bahia, mas a uma variedade de indivíduos que poderiam ser tanto baianos quanto cariocas, paulistas, catarinenses, de modo que a categoria mostrou-se operar a partir de outros esquemas de demarcação. Observou-se então que "baiano" era uma ferramenta criada pelos habitantes da cidade para condensar os migrantes "estrangeiros" que perturbavam sua realidade e direcionar à figura uma série de alegações e acusações daquilo que em seu sistema moral era tido como negativo e inaceitável.

Biografia do Autor

Pedro Francisco Marchioro, UFPR

Doutorando em Sociologia pela Universidade Federal do Paraná (UFPR). Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Pelotas e Mestrado em Sociologia pela UFPel. Entre suas pesquisas destacam-se as áreas da Sociologia do Trabalho, das Migrações e Identidades, assim como a Sociologia da Cultura, Desigualdade e Violência social. É membro do Núcleo de Estudos do Polo Naval, do projeto de pesquisa Imigrantes Haitianos no Paraná: preconceito, integração e capital mobilidade e do projeto A Reflexividade na Sociologia e nas ciências sociais contemporânea. Atualmente suas investigações circulam sobre os seguintes temas: migração, sociologia do desvio, desigualdade, violência, identidade e diferença, globalização.

Downloads

Publicado

2018-08-24

Como Citar

Marchioro, P. F. (2018). A reorganização dos arranjos subjetivos a partir da construção de um inimigo comum. REVISTA CIÊNCIAS DA SOCIEDADE, 2(3), 223-237. https://doi.org/10.30810/rcs.v2i3.628