Desculpe, o seu navegador não suporta JavaScript!
Buscar somente nesse site.

Universidade Federal do Oeste do Pará

Conselho de Acompanhamento do Abaré elaborará regimento para uso da embarcação


13 de Junho de 2019 às 18:44

Representantes de diversas entidades ligadas ao barco-hospital Abaré estiveram reunidos nos últimos dias 11 e 12 de junho para debater formas de ampliar e otimizar o uso da embarcação. Realizada no campus da Ufopa em Santarém, a oficina "Viver Abaré: todos por uma ideia" contou com a participação de integrantes da Universidade, do Projeto Saúde e Alegria, das secretarias municipais de Saúde de Santarém e Belterra, do Ministério Público do Estado do Pará, do Conselho Municipal de Saúde de Santarém, da Marinha do Brasil e também de universidades externas que têm interesse em participar das atividades da unidade fluvial.

“Centramos a atenção numa discussão construtivista de todos os parceiros do Abaré para a solução dos principais problemas que a gente tem hoje na atuação do barco. O sonho da universidade é sacramentar esse barco como um barco-hospital de ensino, com permeabilidade em todas as áreas de conhecimento da Ufopa”, enfatizou o médico Fábio Tozzi, professor visitante da Instituição.

Segundo o professor, as dificuldades são muitas, em especial o financiamento das ações. A intenção é manter a assistência à saúde da população ribeirinha, que já é realizada, e agregar atividades de ensino, pesquisa e extensão. A verba para a assistência à saúde é assegurada através de repasses mensais feitos pelo Governo Federal à Prefeitura Municipal de Santarém. “Hoje, a embarcação passa dez dias por mês nas viagens de assistência à saúde. Nos outros vinte dias, ela fica ociosa. Ou seja, nosso maior desafio é o período em que ela não faz assistência. Estamos aqui justamente debatendo formas de ampliar e otimizar o uso do barco”, ressaltou o professor Maxwell Santana, diretor de Extensão da Ufopa.

A oficina mesclou momentos de mesa-redonda e debates, trabalhos em grupos e plenárias. Foram adotadas metodologias de planejamento estratégico (Visão de Futuro) e planejamento operacional (Matriz FOFA). A metodologia FOFA (Fortalezas, Oportunidades, Fraquezas e Ameaças) consiste na identificação coletiva de pontos positivos e negativos. Os principais problemas elencados foram priorizados, para que fossem propostas ações e articulações institucionais necessárias para minimizá-los. “Conseguimos alinhar, discutir e democratizar os problemas e as soluções que a gente pode encaminhar. Conseguimos sentar com todos os atores envolvidos com o Abaré que estão alinhados na elaboração de soluções para os problemas atuais e na construção de um cenário positivo no futuro, nesse rumo de construir um hospital-hospital-escola”, destacou Tozzi.

Gestão compartilhada - No dia 11, tomou posse o Conselho de Acompanhamento, que deverá auxiliar na condução dos desafios e de soluções para os problemas relacionados ao Abaré, através de uma gestão compartilhada. Além da Ufopa, integram o conselho representantes do Ministério Público do Estado do Pará (MP-PA), do Projeto Saúde e Alegria, das prefeituras de Santarém e Belterra, através das secretarias municipais de Saúde, e do Conselho Municipal de Saúde de Santarém.

Apesar de os trabalhos realizados durante a oficina não terem caráter deliberativo, eles deverão ser ponto de partida para que possa ser construída uma minuta de regimento para o uso do barco, a ser proposta pela Ufopa. O Conselho de Acompanhamento poderá manifestar-se a respeito da minuta de regimento no momento da consulta pública.

Renata Dantas - Comunicação/Ufopa

13/6/2019

Prof. Fábio Tozzi durante oficina Viver Abaré, realizada nos dias 11 e 12 de junho.

Notícia em destaque